rp_6322244255_bc3b7183bf.jpg

EXÉRCITO EM ARMAS CONTRA A SOCIEDADE CIVIL em BELO MONTE!

Untitled
Com o exército armado nas ruas. a pretexto de “escoltar” as autoridades representates deste governo predatório, o exército brasileiro está apresentando armas contra a Sociedade Civil em Altamira/PA. Os mandatários desta intervenção criminosa apresentam argumentos mal estruturados e frágeis, que logo se diluem em contradições diante do questionamento da Sociedade Civil, que tem estado presente, junto ao Ministério Público do Estado do Pará, para apurar as irregularidades e arbritrariedades do Governo Federal, que tem isentando de resposabilidades e tolerado todo tipo de abusos cometidos pela empresa responsável pela execução do seu projeto. Chamado KARARAÔ na época da ditadura militar e agora, BELO MONTE, este projeto veio comprovar que Dilma Roussef lidera um governo mais fascista que a própria Ditadura Militar, que, na época, não conseguiu implantar o projeto devido à resistência das lideranças militantes da região. Há um dossiê completo, que remonta de registros feitos ao longo DE 10 ANOS pelo Procurador da República do Pará, Dr. Prof. Felício Pontes Jr, postado em seu blog BELO MONTE DE VIOLÊNCIAS.

Se você quer saber de fato o que tem se passado em Altamira nessses 23 anos, relatado, não por um ativista ou manifestante, mas por uma autoridade do Poder Judiciário e mestre em Teoria do Estado e Direito Constitucional pela PUC-Rio, click no link que está no nome do blog do Dr. Felício Pontes, com tempo para leitura. Ai está TODA A VERDADE, não o que a mídia fala, ou o que dizem os “formadores da opinião pública” os mesmo que colocaram esses predadores no governo.

DSCN7227A Sociedade Civil está organizada lutando há mais de 20 anos, orientada por algumas lideranças que tem sofrido perseguição, ameaças de morte e alguns tem sido de fato assassinados, de CHICO MENDES  a NÍSIO GOMES. As famílias dos líderes exterminados tem sido assoladas, ou tem procurado exílio em países sensibilizados com a causa dos que lutam para defender a preservação da Amazônia e acabam necessitando de asilo em outra nação, para não ser exterminado em solo brasileiro.

Foto: Eduardo SeidlNão é falta de organização ou incompetência das lideranças, não é falta de recursos, pois temos feito manifestações em frente a instituições internacionais, em diversos países, durante esses quase 25 anos. As autoridades tem sido solicitadas a receber e negociar com as lideranças, toda a documentação necessária para os embargos e denúncias públicas tem sido encaminhada de forma satisfatória.

_TLD1969Mas os crimes continuam e progridem. Crimes de todo tipo: Assassinatos, desapropriação indevida, decurso de prazos e mudanças deliberadas de datas para entrega de relatórios de atendimento das CONDICIONANTES, irregularidades nas contratações e condições de trabalho para os funcionários, negação do direito legal de greve nas instalações da ELETRONORTE, fechamento do local para a imprensa independente, entre tantos outros.

Simplesmente nenhuma medida legal detém os crimes. A grave ameaça à população ribeirinha e aos povos nativos da região do rio Xingú é uma afronta à Sociedade Civil, não só brasileira, mas em todo o mundo. É uma prova de que os recursos legais, que são as ferramentas para fazer valer nossos direitos, são fictícios, e ao longo de seu trâmite acabam engavetados em alguma sala dos prédios de Niemeyer, no Planalto Central.

Foto: Verena Glass

Isso deveria ser motivo mais do que suficiente para que o povo brasileiro se sentisse ofendido, já que pagamos os impostos mais caros do planeta, pagamos os salários mais altos do mundo aos nossos políticos e, não obstante, ao seguirmos as regras de encaminahmento das documentações junto ao Ministério Público para fazer valer nossos direitos de cidadãos, fazer uso de nosso poder de decisão sobre nosso próprio patrimônio, eles nos olham com um ar de deboche, porque acreditamos nas instituições e respeitamos as leis, seguimos as regras e pagamos impostos. Nossos interlocutores zombam de nós, justamente por isso, porque eles não fazem o mesmo. As leis servem apenas de entrave para nós, enquanto eles as desprezam impunemente.

É um jogo desigual, de cartas marcadas, onde à Sociedade Civil são impostos todo tipo de regras com suas penalidades, mas os governantes estão isentos delas, eles são imunes e tornam imunes também aos que servem aos seus propósitos. Veja as dimensões do patrimônio que está sendo depredado, expoliado, roubado. A maior reserva de recursos naturais do planeta, 1/5 da água doce do planeta Terra está aqui. É seu, é nosso! Estamos lutando para preservar tudo isso. E você?

Tuira

XINGU+23 anos de resistência contra BELO MONTE

Não, não é de hoje! Xingu+23 comemora o Iº ENCONTRO DOS POVOS INDÍGENAS DO XINGU,  que aconteceu em Altamira, de 20 a 25 de fevereiro de 1989. Aconteceu lá muito mais do que isso.  A histórica atitude da índia Tuíra Kaiapó, ao tocar com a lâmina de seu facão o rosto de José Antonio Muniz Lopes, então Diretor da ELETRONORTE, expressava o sentimento de uma nação inteira, já naquela época, a respeito do projeto antes chamado KARARAÔ,  que hoje chama-se BELO MONTE. A célebre foto de Tuíra ganhou fama mundial, chamou a atenção do mundo para os crimes cometidos em todo aquela região, incluindo assassinatos como o de CHICO MENDES,  ocorrido apenas 2 meses antes deste encontro.

De CHICO MENDES a NÍSIO GOMES, quase 25 anos depois, os assassinatos continuam. O mundo inteiro toma conhecimento, muitos se dizem indignados, mas ninguém impede, assim como ninguém remove a CHEVRON das águas brasileiras, nem da amazônia equatorenha. O que será necessário para que haja uma intervenção? Se somos exterminados mesmo lutando e denunciando, o mundo torna-se cúmplice e conivente com os crimes.

Chevron no Equador

Nem mesmo assim nossa gente é levada a sério. Uma mulher guerreira é vista como aborígene. Uma atitude corajosa é vista com ar de deboche e ridicularizada, por aqueles que executam as ordens dos criminosos e julgam-se acima da verdade, da justiça, e até mesmo do bom senso. Alguém poderia rir diante de um ato desesperado como o de Tuíra Kaiapó? Ocorre que a bossalidade é um traço comum da personalidade de quem não tem princípios, não tem consciência, não é dono de si mesmo, nem tem identidade. Esses não tem pelo que lutar, apenas fazem tudo para agradar aos donos de suas almas e de seus pensamentos, os que dizem a eles o que devem sentir e dizer, em troca de um salário miserável, ou das sobras de seus coronéis. Estes são pior do que os próprios coronéis, porque não são nada! Nem são os VERDADEIROS RICOS,  donos das riquezas que os ladrões querem roubar, nem são donos do produto de seu roubo.

LibertyKaiapó

Vendem-se por algumas migalhas, e ( digam-me o motivo), olham com desprezo para os verdadeiros donos das riquezas cobiçadas, saqueadas, usurpadas, isso desde que os espanhóis e portugueses invadiram nossas terras para entregar nosso patrimônio aos seus credores, os ingleses. Quase 25 anos depois, a mesma Tuira Kaiapó continua enfrentando seus inimigos, ainda sentados atrás de uma mesa, mas agora representados por outras pessoas. Eles mudam de cara, mas não Tuira.

Não é por falta de atitude, nem por falta de medidas legais ou intervenção do Ministério Público em favor dos direitos desses povos que estamos assistindo HÁ QUASE 1/4 DE SÉCULO essa devastação desmedida. As lideranças dos povos indígenas da amazônia são muito bem organizadas e atuantes diante das autoridades nacionais e internacionais. Se assim não fosse a devastação já teria sido muito maior. A questão não é apenas ecológica. Estamos falando de genocídio, extermínio humano, destruição de culturas e conhecimento, causando a extinção definitiva de espécies de seres vivos de todos os reinos: vegetais, animais e humano. A VIDA está sendo extinta para que alguns poucos sirvam-se dela. É crime hediondo, é chacina e genocídio em massa.

Quantos ribeirinhos ao longo dos cursos dos rios Xingu, Amazonas, Araguaia e Tocantins tem sido vítimas das mesmas histórias trágicas. Não são apenas os descendentes dos nativos brasileiros que são assolados. As populações ribeirinhas, os pescadores, pequenos extrativistas e agricultores tem sido perseguidos, enganados com falsas promessas de indenizações para que saiam de suas terras, e quando não aceitam, são simplesmente executados! O crime é contra a SOCIEDADE CIVIL.  Nós temos sido desrespeitados, enganados, manipulados por mídias corporativas que trabalham para defender os interesses dos mesmos mandatários, e estes não são políticos. Os políticos apenas entram no jogo para tentar conduzir a Sociedade Civil e evitar que ela se levante contra seus opressores. Eles trabalham para conduzir a opinião pública a ser favorável e consentir nestes descalabros, na ilusão de que irão ter também algum benefício com isso. Não terão. O arroxo é cada vez maior e a escassez acaba chegando até as classes mais abastadas. A faixa de exclusão social é cada vez maior e as periferias convertem-se em comunidades cada vez mais populosas.

Este artigo é para falar do encontro que haverá em Altamira/PA, do dia 13 ao dia 17 de JUNHO próximo, que será comemorativo aos 23 anos do  Iº ENCONTRO DOS POVOS INDÍGENAS DO XINGU, e será PARALELO AO RIO+20, um protesto contra ele. Escolhi a imagens de Antonia, entre todo o material de divulgação do XINGU+23, porque ela é como a índia Tuira, representante da Sociedade Civil como um todo, tentando acordar o nosso povo sobre a realidade do que se passa em solo brasileiro. Em Altamira, estes trabalhadores, que não tem acesso fácil à internet ou à mídia corporativa, estão organizados, unidos, atuantes, conscientes, e tem alguma coisa pelo que lutar. Estão integrados à realidade em que vivem e extremamente bem informados. E você?

CÚPULA DOS POVOS – OS 99% EMERGEM DAS PROFUNDEZAS

Emergindo das Profundezas - e-ditora
A primeira vez que vi essa foto de RENATO SOARES não consegui tirar os olhos dela. Lembrei de nadar em igarapés cristalinos como este, lá nessa região de Goiás e Mato Grosso. Lembrei de estar em algumas aldeias, conviver um pouco com os donos de “nossas” terras, acompanhar sua luta de perto. Estive também com os Guaranis da aldeia de KRUKUTU em Parelheiros, São Paulo, em 2003. Fui chamada por funcionários da FUNAI na ocasião em que os nativos de Krukutu expulsaram a médica que fazia atendimento no posto de saúde da aldeia. Ela não poderia mais entrar na lá, sob ameaça de ser punida fisicamente em caso de desobediência à ordem do cacique. Então disseram que só deixariam entrar lá alguém que pudesse ajudar o PAGÉ a cuidar dos problemas de saúde da aldeia, alguém que fosse aprovado por ele. Os problemas eram graves, incluíam casos de alcoolismo e suicídios de jovens. Não pude ficar muito tempo lá, embora tenha sido aprovada pelo Pagé e obtido bons resultados com acupuntura e orientação alimentar. A FUNAI pagou meu conbustível apenas nas 2 primeiras semanas, depois fiquei tentando receber deles, quando me comunicaram a decisão deles de não mais me reembolsar. Após 2 meses não tive condições financeiras de dar continuidade ao projeto. Foram, talvez, os 2 meses mais sofridos da minha vida. Foi certamente a despedida mais dolorosa de todas as muitas despedidas que vivi. Sofri muito durante várias semanas depois disso, demorou pra curar a dor.

Este vídeo anuncia o despertar destes povos, que começa a buscar por organização, pois tem algumas lideranças capacitadas para representá-los junto ao MINSTÉRIO PÚBLICO, nos fóruns e congressos de discussões dos assuntos que os afetam, QUANDO LHES É DADO VOZ E DIREITO DE REPRESENTAÇÃO. Existe um movimento de organização mundial das nações indígenas, um conselho mundial intertribal, mas suas lideranças mantém um certo revesamento entre si, por questões de segurança. No momento, há uma concentração em torno do líder brasileiro, o Cacique MARCOS TERENA, por ocasião do RIO + 20, evento que foi oficialmente destituido da condição de SER REALMENTE REPRESENTATIVO dos interesses dos povos em questão, e de não ter idoneidade para facilitar as discussões ou pautar assuntos gravíssimos, assuntos estes que vão muito, mas muito mais além de questões ambientais. Queremos discutir genocídio em massa, invasão e desapropriação armada de propriedade particular, abandono de incapazes, queremos falar sério, estamos cançados do teatro de sempre.

MARCOS TERENA - Cúpula dos Povos

MARCOS TERENA, que assinou a CARTA DA TERRA há 20 anos, no RIO-92, onde foi regsitrada a DECLARAÇÂO DA ALDEIA KARI-OCA,  destruida por um INCÊNDIO CRIMINOSO na ocasião do RIO-92, o que sensibilizou as Nações Indígenas de todo o mundo. Tratava-se de UM TEMPLO construido para abrigar a CONFERÊNCIA MUNDIAL DOS POVOS INDÍGENAS, um encontro paralelo ao Rio-92 entre Nações Indígenas de todo o mundo, construida a partir da utilização dos  segredos de engenharia e arquitetura das florestas. A KARI-OCA original foi construida na em JACAREPAGUÁ, através do compartilhamento de conhecimentos e cooperação entre 7 povos do Alto Xingu/MT e o povo TUKANO do Amazonas, tornando-se símbolo da resistência dos povos à tirania e ao genocídio de nosso povo.

No último dia 07 de maio, de Belém/PA, as lideranças indígenas declararam oficilamente que o evento paralelo ao RIO +20 considerado OFICIAL, onde as verdadeiras discussões dos assuntos pautados PELOS POVOS INDÍGENAS e por eles de fato discutidos será a CÚPULA DOS POVOS, que espera reunir 30 mil pessoas no ATERRO DO FLAMENGO, no Rio de Janeiro, até o fim do encontro, a realizar-se de 15 a 23 de junho. Veja os detalhes do evento no SITE OFICIAL da  CÚPULA DOS POVOS . No evento “oficial” do Rio+20 a “reedição” da aldeia KARIO-OCA está sendo montada, para que a conversação intertribal de todas as Nações Indígenas do mundo possa FINALMENTE acontecer. em Jacarepaguá, no mesmo ocal onde a original foi destruida, estarão reunidos cerca de MIL indígenas de aldeias de todas as nações do mundo, tais como Nigéria, Japão e Canadá, além do Brasil. Marcos Terena está no comando deste projeto, o que garante sua validade, ainda que esteja na agenda do evento “oficial”, o Rio+20. Seria um pedido de descupas? Não aceitamos.

KARI-OCA-Rio+20