533562_491638620868899_663104669_n

MOBILIZAÇÃO NACIONAL CONTRA O GENOCÍDIO INDÍGENA NO BRASIL

Documentando a causa da Mobilização Nacional, um FAZENDEIRO DE PARANHOS/MS anuncia o GENOCÍDIO dos indígenas da aldeia de Arroio Kora, e diz que fala em nome de todos os fazendeiros da região: “A Polícia Federal está sabendo, o Prefeito, o governo, todos sabem. Armas tem aí pra vender, aqui ao lado no Paraguai. Se é guerra que eles querem, então vamos pra guerra!”


A Mobilização nacional contra o genocídio de indígenas no Brasil tem como objetivo INIBIR os ataques, tocaias, assassinatos EM PRAÇA PÚBLICA, diante de testemunhas, sem nenhum constrangimento, próprio de quem tem O AVAL das autoridades  e garantia de IMPUNIDADE. Tem também o objetivo de EXIGIR a demarcação das terras e a publicação, por parte da FUNAI da lista de terras que já foram homologadas, lista esta que ninguém consegue ter acesso. Iremos postando o conteúdo referente aos 52 eventos programados para hoje, sendo 49 em território nacional e 3 na Europa.

Debaixo de chuva, enfrentando todo tipo de dificuldade durante a organização do evento, inclusive infiltrações de TROLLs para desarticular o protesto do VÃO DO MASP, essa juventude paulistana, mais uma vez, é vencedora. Não se deixam intimidar por vozes de comandos nem se sujeitam a “representantes” seja lá do que for. Eles estão aptos a pensar por si próprios, tirar suas conclusões e resolver suas diferenças. eles sabem como São Paulo respira e como é que a cidade fala para o brasil e para o mundo quando quer que ouçam sua voz.

Na ALDEIA MARACANÃ, onde houve concentração do evento no Rio de Janeiro, foram confeccionados cartazes e pinturas para que todos fizessem parte de uma só TEKOHA. Logo em seguida a marcha de protesto percorreu as imediações do estádio do Maracanã, onde vários imóveis estão sendo desapropriados para serem DEMOLIDOS, inculsive O MUSEU DO ÍNDIO, fundado por Darci Ribeiro, que abriga vários moradores de variadas etnias. Hoje somos TODOS GUARANI-KAIOWÁA

Em Porto Alegre após a concentração no Largo Glênio Peres, a passeata subiu a Av Borges de Medeiros, itinerário também tradicional das insurgências gaúchas. Cada cidade tem sua trilha de desobediência civil, uma praça onde se articulam os indignados, uma via de marchar na contra-mão do sentido obrigatório.

Em Belo Horizonte a chuva inibiu a muitos que estavam dispostos a participar das manifestações, mas as caras foram pintadas e o ato público de repúdio ao genocídio no MS ficou registrado na capital mineira.

A seguir a PETIÇÃO, que depende apenas de um click da sua parte para transformar-se em um documento histórico, que poderá ser capaz de fazer aquilo que sonham muitos militantes nesse país, há MUITAS GERAÇÕES: INIBIR definitivamente o GENOCÍDIO INDÍGENA no BRASIL e forçar o Governo Federal a parar a procrastinação com a demarcação das terras indígenas, cumprindo a CONSTITUIÇÃO. Só queremos que a LEI SEJA RESPEITADA, que os direitos dos cidadãos sejam respeitados, e que a impunidade tenha fim, pois não suportamos mais saber que os assassinatos de lideranças e extermínio em massa continue IMPUNEMENTE em um país que se diz preparado para sediar os dois eventos mundiais mais importantes. Basta clicar no banner e assinar. Não leva 5 minutos e pode mudar a história das nações indígenas no Brasil. Finalmente uma mensagem da lidrança VALDENIR MUNDURUKU, com sua voz triste e mansa, duas palavras que definem a natureza dos povos originários do Brasil hoje. Fica aqui o registro do que foi o 9N, Dia Nacional de Protesto contra o GENOCÍDIO dos Guarani-Kaiowáa. O Primeiro de MUITOS que virão.

547878_201460966644081_2143068716_n

PARA CONSTRUIR BELO MONTE VÃO TER QUE NOS MATAR!


A resistência ao projeto que pretende transformar a Bacia do Xingú em um gigantesco complexo gerador de energia, há 23 anos chamado de KARARAÔ e agora entitulado BELO MONTE, comomera seus 23 anos de ativismo. XINGU+23, evento paralelo ao RIO+20, realizado em ALTAMIRA/PA, ocupou o canteiro de obras da barragem e cavou uma vala, por onde a água do rio vazou. Foram celebrando rituais sagrados no local, como também na CÚPULA DOS POVOS, evento paralelo ao evento “oficial” chamado RIO+20, realizado na cidade do Rio de Janeiro.


Todas estas manifestações tem fundamento na cultura e filosofia dos povos e nações da região do rio Xingú. Ocorre que estes costumes tem sido preservados e acrecidos de informação atualizada sobre os direitos que eles tem, como proprietários ou guardiões de um Ecosistema que contém, talvez, a maior reserva de recursos e riquezas do planeta. Eles tem consciência da dimensão exata de sua responsabilidade, e não pretendem abrir mão dela.

Este projeto, mais do que extrair energia elétrica do complexo hidrelétrico de 60 BARRAGENS programados para TODA A BACIA DO XINGÚ, pretende eliminar esses povos, exterminá-los. Eles não cedem, não fazem concessões, não se corrompem, não traem uns aos outros, não se vendem. Eles são um verdadeiro pesadelo, são o grande imprevisto dos mandatários de nossos “governantes”, que são apenas representantes daqueles que de fato pretendem apropriar-se de nossos mananciais. Eles não contavam que justamente esta cultura, celebrada e apresentada nas manifestações e atos de ativismo da resistência contra o projeto, é uma cultura de guereriros, com um código de ética e conduta que nada tem de aborígene.

Ao contrário… Faz com que sejam organizados para sobreviver dentro da floresta e fortes para vencer os obstáculos que ela apresenta. Usando os fundamentos de sua cultura eles são um conglomerado humano, organizados como formigas tornam-se gigantescos em sua unidade. Não se sujeitam a nenhuma autoridade que não sejam as suas lideranças, eles sabem exatamente contra quem e contra o que estão lutando, e porque. Não poderão mais dizimá-los aos poucos, de maneira sistemática como vem fazendo, desde que assassinaram CHICO MENDES, até a recente execução de NÍSIO GOMES, para que seus crimes não tenham muita repercussão, e se percam na passagem do tempo. Raoni não chorou em vão diante da impunidade dos genocidas e ecocidas que tem simplesmente assolado as nações, humilhado seus valores e  abalado seus fundamentos. Raoni não chorou em vão. Suas lágrimas misturaram-se às águas do Xingu e infiltraram-se em nosass veias, como um poderoso estimulante acelerador dos nossos neurônios. Despertamos e emergimos. Não nos entregaremos. Nós não esquecemos nossos heróis mortos. Nós não perdoamos. Nosso cacique chorou!

CHEVRON MATA, DESTRÓI,ENVENENA e NINGUÉM IMPEDE!

São 25 autuações por vazamentos em águas brasileiras. Foram estipuladas multas bilionárias, a título de indenização pelo envenenamento do nosso litoral, em duas ações judiciais consecutivas. As 25 autuações são por diversas irregularidades, como usar equipamento sucateado, perfurar até a camada do Pré-Sal no Poço do Frade SEM A PERMISSÃO da  Agência Nacional do Petróleo (ANP), e mais uma infinidade de atitudes que são UMA AFRONTA  à nação brasileira, típica de quem está acima de qualquer tipo de punição, protegido pelo poder que comanda TODOS OS GOVERNOS, inclusive o brasileiro.

derrame-chevron-brasil-nov2011-greenpeace

O Brasil perde royalties que o colocariam em situação de vantagem econômica internacional, o que me leva a crer que essa situação toda é criada justamente com este propósito, danificar um patromônio que está fazendo o Brasil emergir rapidamente. Nosso litoral, além de ser um manancial enorme de petróleo, é também o melhor destino de praias do mundo, sendo Búzios hoje detentor deste título, que foi anteriormente de Ibiza. Mais sério do que isso é o desastre ambiental, pois a BACIA DE CAMPOS é rota migratória de animais silvestres, como as BALEIAS JUBARTE, BALEIA BRANCA DO SUL e BALEIA-DE-BRYDE, além de 20 a 25 espécies de golfinhos e pequenos cetáceos ameaçados de extinção. O local do acidente também é parte da via migratória de muitas espécies de aves marinhas. Ficamos suspeitando que essa ação faz parte de um plano de extermínio premeditado…

A TRANSOCEAN, operadora da sonda no Poço do Frade, tem um histórico de desastres avassaladores, como o ocorrido no Golfo do México em 22 de abril de 2010, pelo qual entrou em guerra judicial contra a BRITISH PETROLEUM (BP), ambas tentando atribuir à outra a responsabilidade pela explosão, que deixou 11 mortos, um rombo financeiro incalculável e o título de MAIOR DESASTRE AMBIENTAL DA HISTÓRIA DOS EUA. Minha opinião é que a “batalha jdicial” foi um jogo combinado entre as duas companhias para preterir as indenizações, dispersar os inquéritos e ganhar tempo para… só Deus sabe o que mais! Tem coisas que é melhor nem falar, mesmo porque, pra bom entendedor, um pingo é letra.

US-BLAST-OIL-ENERGY-SINKS

Ainda assim não tem quem faça isso parar, é como esse fogo: Ninguém apaga. Ele queima até na própria água, não há quem impeça que ele siga devastando, consumindo, devorando. Pensei em colocar o vídeo feito pelo Greenpeace nesta ocasião, quando ao sobrevoar a mancha de óleo, captou imagens de um cardume de golfinhos sendo queimados vivos, tentando desesperadamente livrar-se do óleo em chamas, grudado em seus corpos, mas preferi não ver aquilo novamente. Não precisamos ver mais nada. Optei também em dar ênfase ao que a CHEVRON, chamada de  CHERNOBIL DA AMAZÔNIA,vem causando aos equatorenhos nativos da região amazônica. Há vinte anos as comunidades nativas lutam na justiça para impedir a CHEVRON de devastar, envenenar, matar, promover deficiência física e afligir aos 30.000 indígenas e agricultores da amazônia equatorenha. eles também lutam por indenizações e restauração do meio ambiente do qual dependem para viver.

O fato mais absurdo deste contexto é que os nativos, assim como a floresta e sua fauna, estão morrendo porque NÃO EXISTE MAIS ÁGUA POTÁVEL na região! Não há água limpa, nem para beber, nem para a irrigação. NA AMAZÔNIA! Eles estão lá, HÁ VINTE ANOS! Não há quem os aranque de lá. A terra da floresta está sendo infiltrada, através dos rios, por água contaminada com óleo! Convença-me de que não é de propósito, uma estratégia para contaminar os mananciais e promover o genocídio em massa! Veja que é um cerco, há um mapeamento estratégico sendo executado. São riquezas inalculáveis, que ainda tem donos… donos que atrapalham a invasão e o saque. São proprietários numerosos e obstinados em lutar pelo que é seu. Somos os 99%!

CÚPULA DOS POVOS – OS 99% EMERGEM DAS PROFUNDEZAS

Emergindo das Profundezas - e-ditora
A primeira vez que vi essa foto de RENATO SOARES não consegui tirar os olhos dela. Lembrei de nadar em igarapés cristalinos como este, lá nessa região de Goiás e Mato Grosso. Lembrei de estar em algumas aldeias, conviver um pouco com os donos de “nossas” terras, acompanhar sua luta de perto. Estive também com os Guaranis da aldeia de KRUKUTU em Parelheiros, São Paulo, em 2003. Fui chamada por funcionários da FUNAI na ocasião em que os nativos de Krukutu expulsaram a médica que fazia atendimento no posto de saúde da aldeia. Ela não poderia mais entrar na lá, sob ameaça de ser punida fisicamente em caso de desobediência à ordem do cacique. Então disseram que só deixariam entrar lá alguém que pudesse ajudar o PAGÉ a cuidar dos problemas de saúde da aldeia, alguém que fosse aprovado por ele. Os problemas eram graves, incluíam casos de alcoolismo e suicídios de jovens. Não pude ficar muito tempo lá, embora tenha sido aprovada pelo Pagé e obtido bons resultados com acupuntura e orientação alimentar. A FUNAI pagou meu conbustível apenas nas 2 primeiras semanas, depois fiquei tentando receber deles, quando me comunicaram a decisão deles de não mais me reembolsar. Após 2 meses não tive condições financeiras de dar continuidade ao projeto. Foram, talvez, os 2 meses mais sofridos da minha vida. Foi certamente a despedida mais dolorosa de todas as muitas despedidas que vivi. Sofri muito durante várias semanas depois disso, demorou pra curar a dor.

Este vídeo anuncia o despertar destes povos, que começa a buscar por organização, pois tem algumas lideranças capacitadas para representá-los junto ao MINSTÉRIO PÚBLICO, nos fóruns e congressos de discussões dos assuntos que os afetam, QUANDO LHES É DADO VOZ E DIREITO DE REPRESENTAÇÃO. Existe um movimento de organização mundial das nações indígenas, um conselho mundial intertribal, mas suas lideranças mantém um certo revesamento entre si, por questões de segurança. No momento, há uma concentração em torno do líder brasileiro, o Cacique MARCOS TERENA, por ocasião do RIO + 20, evento que foi oficialmente destituido da condição de SER REALMENTE REPRESENTATIVO dos interesses dos povos em questão, e de não ter idoneidade para facilitar as discussões ou pautar assuntos gravíssimos, assuntos estes que vão muito, mas muito mais além de questões ambientais. Queremos discutir genocídio em massa, invasão e desapropriação armada de propriedade particular, abandono de incapazes, queremos falar sério, estamos cançados do teatro de sempre.

MARCOS TERENA - Cúpula dos Povos

MARCOS TERENA, que assinou a CARTA DA TERRA há 20 anos, no RIO-92, onde foi regsitrada a DECLARAÇÂO DA ALDEIA KARI-OCA,  destruida por um INCÊNDIO CRIMINOSO na ocasião do RIO-92, o que sensibilizou as Nações Indígenas de todo o mundo. Tratava-se de UM TEMPLO construido para abrigar a CONFERÊNCIA MUNDIAL DOS POVOS INDÍGENAS, um encontro paralelo ao Rio-92 entre Nações Indígenas de todo o mundo, construida a partir da utilização dos  segredos de engenharia e arquitetura das florestas. A KARI-OCA original foi construida na em JACAREPAGUÁ, através do compartilhamento de conhecimentos e cooperação entre 7 povos do Alto Xingu/MT e o povo TUKANO do Amazonas, tornando-se símbolo da resistência dos povos à tirania e ao genocídio de nosso povo.

No último dia 07 de maio, de Belém/PA, as lideranças indígenas declararam oficilamente que o evento paralelo ao RIO +20 considerado OFICIAL, onde as verdadeiras discussões dos assuntos pautados PELOS POVOS INDÍGENAS e por eles de fato discutidos será a CÚPULA DOS POVOS, que espera reunir 30 mil pessoas no ATERRO DO FLAMENGO, no Rio de Janeiro, até o fim do encontro, a realizar-se de 15 a 23 de junho. Veja os detalhes do evento no SITE OFICIAL da  CÚPULA DOS POVOS . No evento “oficial” do Rio+20 a “reedição” da aldeia KARIO-OCA está sendo montada, para que a conversação intertribal de todas as Nações Indígenas do mundo possa FINALMENTE acontecer. em Jacarepaguá, no mesmo ocal onde a original foi destruida, estarão reunidos cerca de MIL indígenas de aldeias de todas as nações do mundo, tais como Nigéria, Japão e Canadá, além do Brasil. Marcos Terena está no comando deste projeto, o que garante sua validade, ainda que esteja na agenda do evento “oficial”, o Rio+20. Seria um pedido de descupas? Não aceitamos.

KARI-OCA-Rio+20