CHEVRON MATA, DESTRÓI,ENVENENA e NINGUÉM IMPEDE!

São 25 autuações por vazamentos em águas brasileiras. Foram estipuladas multas bilionárias, a título de indenização pelo envenenamento do nosso litoral, em duas ações judiciais consecutivas. As 25 autuações são por diversas irregularidades, como usar equipamento sucateado, perfurar até a camada do Pré-Sal no Poço do Frade SEM A PERMISSÃO da  Agência Nacional do Petróleo (ANP), e mais uma infinidade de atitudes que são UMA AFRONTA  à nação brasileira, típica de quem está acima de qualquer tipo de punição, protegido pelo poder que comanda TODOS OS GOVERNOS, inclusive o brasileiro.

derrame-chevron-brasil-nov2011-greenpeace

O Brasil perde royalties que o colocariam em situação de vantagem econômica internacional, o que me leva a crer que essa situação toda é criada justamente com este propósito, danificar um patromônio que está fazendo o Brasil emergir rapidamente. Nosso litoral, além de ser um manancial enorme de petróleo, é também o melhor destino de praias do mundo, sendo Búzios hoje detentor deste título, que foi anteriormente de Ibiza. Mais sério do que isso é o desastre ambiental, pois a BACIA DE CAMPOS é rota migratória de animais silvestres, como as BALEIAS JUBARTE, BALEIA BRANCA DO SUL e BALEIA-DE-BRYDE, além de 20 a 25 espécies de golfinhos e pequenos cetáceos ameaçados de extinção. O local do acidente também é parte da via migratória de muitas espécies de aves marinhas. Ficamos suspeitando que essa ação faz parte de um plano de extermínio premeditado…

A TRANSOCEAN, operadora da sonda no Poço do Frade, tem um histórico de desastres avassaladores, como o ocorrido no Golfo do México em 22 de abril de 2010, pelo qual entrou em guerra judicial contra a BRITISH PETROLEUM (BP), ambas tentando atribuir à outra a responsabilidade pela explosão, que deixou 11 mortos, um rombo financeiro incalculável e o título de MAIOR DESASTRE AMBIENTAL DA HISTÓRIA DOS EUA. Minha opinião é que a “batalha jdicial” foi um jogo combinado entre as duas companhias para preterir as indenizações, dispersar os inquéritos e ganhar tempo para… só Deus sabe o que mais! Tem coisas que é melhor nem falar, mesmo porque, pra bom entendedor, um pingo é letra.

US-BLAST-OIL-ENERGY-SINKS

Ainda assim não tem quem faça isso parar, é como esse fogo: Ninguém apaga. Ele queima até na própria água, não há quem impeça que ele siga devastando, consumindo, devorando. Pensei em colocar o vídeo feito pelo Greenpeace nesta ocasião, quando ao sobrevoar a mancha de óleo, captou imagens de um cardume de golfinhos sendo queimados vivos, tentando desesperadamente livrar-se do óleo em chamas, grudado em seus corpos, mas preferi não ver aquilo novamente. Não precisamos ver mais nada. Optei também em dar ênfase ao que a CHEVRON, chamada de  CHERNOBIL DA AMAZÔNIA,vem causando aos equatorenhos nativos da região amazônica. Há vinte anos as comunidades nativas lutam na justiça para impedir a CHEVRON de devastar, envenenar, matar, promover deficiência física e afligir aos 30.000 indígenas e agricultores da amazônia equatorenha. eles também lutam por indenizações e restauração do meio ambiente do qual dependem para viver.

O fato mais absurdo deste contexto é que os nativos, assim como a floresta e sua fauna, estão morrendo porque NÃO EXISTE MAIS ÁGUA POTÁVEL na região! Não há água limpa, nem para beber, nem para a irrigação. NA AMAZÔNIA! Eles estão lá, HÁ VINTE ANOS! Não há quem os aranque de lá. A terra da floresta está sendo infiltrada, através dos rios, por água contaminada com óleo! Convença-me de que não é de propósito, uma estratégia para contaminar os mananciais e promover o genocídio em massa! Veja que é um cerco, há um mapeamento estratégico sendo executado. São riquezas inalculáveis, que ainda tem donos… donos que atrapalham a invasão e o saque. São proprietários numerosos e obstinados em lutar pelo que é seu. Somos os 99%!

CÚPULA DOS POVOS – OS 99% EMERGEM DAS PROFUNDEZAS

Emergindo das Profundezas - e-ditora
A primeira vez que vi essa foto de RENATO SOARES não consegui tirar os olhos dela. Lembrei de nadar em igarapés cristalinos como este, lá nessa região de Goiás e Mato Grosso. Lembrei de estar em algumas aldeias, conviver um pouco com os donos de “nossas” terras, acompanhar sua luta de perto. Estive também com os Guaranis da aldeia de KRUKUTU em Parelheiros, São Paulo, em 2003. Fui chamada por funcionários da FUNAI na ocasião em que os nativos de Krukutu expulsaram a médica que fazia atendimento no posto de saúde da aldeia. Ela não poderia mais entrar na lá, sob ameaça de ser punida fisicamente em caso de desobediência à ordem do cacique. Então disseram que só deixariam entrar lá alguém que pudesse ajudar o PAGÉ a cuidar dos problemas de saúde da aldeia, alguém que fosse aprovado por ele. Os problemas eram graves, incluíam casos de alcoolismo e suicídios de jovens. Não pude ficar muito tempo lá, embora tenha sido aprovada pelo Pagé e obtido bons resultados com acupuntura e orientação alimentar. A FUNAI pagou meu conbustível apenas nas 2 primeiras semanas, depois fiquei tentando receber deles, quando me comunicaram a decisão deles de não mais me reembolsar. Após 2 meses não tive condições financeiras de dar continuidade ao projeto. Foram, talvez, os 2 meses mais sofridos da minha vida. Foi certamente a despedida mais dolorosa de todas as muitas despedidas que vivi. Sofri muito durante várias semanas depois disso, demorou pra curar a dor.

Este vídeo anuncia o despertar destes povos, que começa a buscar por organização, pois tem algumas lideranças capacitadas para representá-los junto ao MINSTÉRIO PÚBLICO, nos fóruns e congressos de discussões dos assuntos que os afetam, QUANDO LHES É DADO VOZ E DIREITO DE REPRESENTAÇÃO. Existe um movimento de organização mundial das nações indígenas, um conselho mundial intertribal, mas suas lideranças mantém um certo revesamento entre si, por questões de segurança. No momento, há uma concentração em torno do líder brasileiro, o Cacique MARCOS TERENA, por ocasião do RIO + 20, evento que foi oficialmente destituido da condição de SER REALMENTE REPRESENTATIVO dos interesses dos povos em questão, e de não ter idoneidade para facilitar as discussões ou pautar assuntos gravíssimos, assuntos estes que vão muito, mas muito mais além de questões ambientais. Queremos discutir genocídio em massa, invasão e desapropriação armada de propriedade particular, abandono de incapazes, queremos falar sério, estamos cançados do teatro de sempre.

MARCOS TERENA - Cúpula dos Povos

MARCOS TERENA, que assinou a CARTA DA TERRA há 20 anos, no RIO-92, onde foi regsitrada a DECLARAÇÂO DA ALDEIA KARI-OCA,  destruida por um INCÊNDIO CRIMINOSO na ocasião do RIO-92, o que sensibilizou as Nações Indígenas de todo o mundo. Tratava-se de UM TEMPLO construido para abrigar a CONFERÊNCIA MUNDIAL DOS POVOS INDÍGENAS, um encontro paralelo ao Rio-92 entre Nações Indígenas de todo o mundo, construida a partir da utilização dos  segredos de engenharia e arquitetura das florestas. A KARI-OCA original foi construida na em JACAREPAGUÁ, através do compartilhamento de conhecimentos e cooperação entre 7 povos do Alto Xingu/MT e o povo TUKANO do Amazonas, tornando-se símbolo da resistência dos povos à tirania e ao genocídio de nosso povo.

No último dia 07 de maio, de Belém/PA, as lideranças indígenas declararam oficilamente que o evento paralelo ao RIO +20 considerado OFICIAL, onde as verdadeiras discussões dos assuntos pautados PELOS POVOS INDÍGENAS e por eles de fato discutidos será a CÚPULA DOS POVOS, que espera reunir 30 mil pessoas no ATERRO DO FLAMENGO, no Rio de Janeiro, até o fim do encontro, a realizar-se de 15 a 23 de junho. Veja os detalhes do evento no SITE OFICIAL da  CÚPULA DOS POVOS . No evento “oficial” do Rio+20 a “reedição” da aldeia KARIO-OCA está sendo montada, para que a conversação intertribal de todas as Nações Indígenas do mundo possa FINALMENTE acontecer. em Jacarepaguá, no mesmo ocal onde a original foi destruida, estarão reunidos cerca de MIL indígenas de aldeias de todas as nações do mundo, tais como Nigéria, Japão e Canadá, além do Brasil. Marcos Terena está no comando deste projeto, o que garante sua validade, ainda que esteja na agenda do evento “oficial”, o Rio+20. Seria um pedido de descupas? Não aceitamos.

KARI-OCA-Rio+20

Ai de ti Copacabana

AI DE TI, COPACABANA!

Ai de ti, Copacabana, porque eu já fiz o sinal bem claro de que é chegada a véspera de teu dia, e tu não viste; porém minha voz te abalará até as entranhas.
Ai de ti, Copacabana, porque a ti chamaram Princesa do Mar, e cingiram tua fronte com uma coroa de mentiras; e deste risadas ébrias e vãs no seio da noite.
Já movi o mar de uma parte e de outra parte, e suas ondas tomaram o Leme e o Arpoador, e tu não viste este sinal; estás perdida e cega no meio de tuas iniqüidades e de tua malícia.

Sem Leme, quem te governará? Foste iníqua perante o oceano, e o oceano mandará sobre ti a multidão de suas ondas.
Grandes são teus edifícios de cimento, e eles se postam diante do mar qual alta muralha desafiando o mar; mas eles se abaterão.
E os escuros peixes nadarão nas tuas ruas e a vasa fétida das marés cobrirá tua face; e o setentrião lançará as ondas sobre ti num referver de espumas qual um bando de carneiros em pânico, até morder a aba de teus morros; e todas as muralhas ruirão.
E os polvos habitarão os teus porões e as negras jamantas as tuas lojas de decorações; e os meros se entocarão em tuas galerias, desde Menescal até Alaska.
Então quem especulará sobre o metro quadrado de teu terreno? Pois na verdade não haverá terreno algum.
Ai daqueles que dormem em leitos de pau-marfim nas câmaras refrigeradas, e desprezam o vento e o ar do Senhor, e não obedecem à lei do verão.
Ai daqueles que passam em seus cadilaques buzinando alto, pois não terão tanta pressa quando virem pela frente a hora da provação.
Tuas donzelas se estendem na areia e passam no corpo óleos odoríferos para tostar a tez, e teus mancebos fazem das lambretas instrumentos de concupiscência.
Uivai, mancebos, e clamai, mocinhas, e rebolai-vos na cinza, porque já se cumpriram vossos dias, e eu vos quebrantarei.
Ai de ti, Copacabana, porque os badejos e as garoupas estarão nos poços de teus elevadores, e os meninos do morro, quando for chegado o tempo das tainhas, jogarão tarrafas no Canal do Cantagalo; ou lançarão suas linhas dos altos do Babilônia.
E os pequenos peixes que habitam os aquários de vidro serão libertados para todo o número de suas gerações.
Por que rezais em vossos templos, fariseus de Copacabana, e levais flores para Iemanjá no meio da noite? Acaso eu não conheço a multidão de vossos pecados?
Antes de te perder eu agravarei s tua demência — ai de ti, Copacabana! Os gentios de teus morros descerão uivando sobre ti, e os canhões de teu próprio Forte se voltarão contra teu corpo, e troarão; mas a água salgada levará milênios para lavar os teus pecados de um só verão.
E tu, Oscar, filho de Ornstein, ouve a minha ordem: reserva para Iemanjá os mais espaçosos aposentos de teu palácio, porque ali, entre algas, ela habitará.
E no Petit Club os siris comerão cabeças de homens fritas na casca; e Sacha, o homem-rã, tocará piano submarino para fantasmas de mulheres silenciosas e verdes, cujos nomes passaram muitos anos nas colunas dos cronistas, no tempo em que havia colunas e havia cronistas.
Pois grande foi a tua vaidade, Copacabana, e fundas foram as tuas mazelas; já se incendiou o Vogue, e não viste o sinal, e já mandei tragar as areias do Leme e ainda não vês o sinal. Pois o fogo e a água te consumirão.
A rapina de teus mercadores e a libação de teus perdidos; e a ostentação da hetaira do Posto Cinco, em cujos diamantes se coagularam as lágrimas de mil meninas miseráveis — tudo passará.
Assim qual escuro alfanje a nadadeira dos imensos cações passará ao lado de tuas antenas de televisão; porém muitos peixes morrerão por se banharem no uísque falsificado de teus bares.
Pinta-te qual mulher pública e coloca todas as tuas jóias, e aviva o verniz de tuas unhas e canta a tua última canção pecaminosa, pois em verdade é tarde para a prece; e que estremeça o teu corpo fino e cheio de máculas, desde o Edifício Olinda até a sede dos Marimbás porque eis que sobre ele vai a minha fúria, e o destruirá. Canta a tua última canção, Copacabana!

RUBEM BRAGA
Rio, janeiro, 1958.